Selic no ressarcimento de IPI, PIS e Cofins

Selic no ressarcimento de IPI, PIS/Pasep e Cofins

Neste texto, falaremos sobre a incidência da taxa Selic no ressarcimento de IPI, PIS/Pasep e Cofins. Também esclarecemos se as decisões que tangem o tema possuem ou não efeito vinculante.

Ressarcimento de PIS/Pasep e Cofins

As pessoas jurídicas tributadas pelo regime não cumulativo de PIS/Pasep e Cofins podem se creditar dessas contribuições nas hipóteses previstas no artigo 3º das Leis nº 10.637/2002 e nº 10.833/2003. Todavia os créditos não utilizados no mesmo período de apuração em que foram apurados podem ser utilizados nos próximos períodos.

Por outro lado, pode ocorrer de a pessoa jurídica ressarcir esse valor via Pedido de Ressarcimento e Declaração de Compensação (PER/DCOMP). As hipóteses e regras para tal ressarcimento estão previstas nos artigos 48 ao 56 da Instrução Normativa RFB nº 2.055/2021.

A Súmula CARF nº 125, aprovada em 2018, mencionava que não haveria incidência de taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic). Essa decisão é devida ao fato de a pessoa jurídica não ter feito um pagamento indevido ou a maior para tal ressarcimento. Porém tal súmula se encontra revogada pela publicação da Portaria CARF/ME nº 8.451/2022, publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia 27/09/2022.

Apesar de não haver incidência de Selic já a partir do momento da constituição do crédito de PIS/Pasep e Cofins, essa incidência é possível. O termo inicial para tal correção monetária se inicia somente após decorridos 360 dias do pedido administrativo de ressarcimento, sem a análise (deferimento do efetivo ressarcimento ou compensação) pelo fisco, nesse caso, a Receita Federal do Brasil (RFB). Isso ocorre devido ao fato de que a legislação obriga o fisco a proferir uma decisão em até 360 dias a contar do recurso administrativo do contribuinte.

Efeito vinculante

O Conselho Administrativo de Recursos Federais (CARF) é um órgão que integra o Ministério da Fazenda e realiza julgamentos em instância administrativa acerca de matéria sobre a legislação tributária e aduaneira.

Dessa forma, em regra, as decisões e súmulas do CARF não possuem efeito vinculante, ou seja, as decisões são válidas apenas para o contribuinte que acionou o órgão administrativamente.
Porém há hipóteses em que, por meio de portaria do Ministério da Economia, as súmulas e decisões do CARF possuem efeito vinculante. Esse não era o caso da Súmula CARF nº 125, agora revogada.

Ressarcimento de IPI

Da mesma forma que ocorre para o PIS/Pasep e Cofins, também há previsão legal para ressarcimento do IPI. A esse respeito, as hipóteses e regras estão previstas nos artigos 43 ao 46 da Instrução Normativa RFB nº 2.055/2021.

Sendo também um tributo federal, a incidência de Selic sobre tal ressarcimento também ocorre após 360 do pedido administrativo do contribuinte. Isso decorre do fato de o fisco ser obrigado a observar tal prazo para proferir uma decisão sobre o crédito, conforme mencionado.

Saiba mais

Aos assinantes da Econet Editora, além de consultoria especializada, também são disponibilizadas matérias que tratam sobre assuntos que abrangem tanto as hipóteses de ressarcimento desses tributos quanto a tributação incidente sobre tal atualização, bem como muitos outros conteúdos.

Se ainda não é assinante, solicite já um teste grátis para conhecer nossas ferramentas e ter acesso a conteúdos indispensáveis de forma clara e objetiva. Um de nossos representantes comerciais entrará em contato com você para lhe dar todo o suporte necessário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *