CSLL

Bônus de adimplência da CSLL

Neste texto, falaremos sobre a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), mais especificamente sobre o bônus de adimplência da CSLL.

Contextualização

Dados divulgados pela Receita Federal do Brasil em seu site mostram que a carga tributária bruta do Governo atingiu 33,71% do PIB em 2022. Trata-se do maior percentual observado na série histórica iniciada em 2010. Isso significa que o montante dos tributos arrecadados pelas três esferas de governo sofreu aumento, reflexo da alta carga tributária suportada especialmente pelas pessoas jurídicas.

Nesse cenário, é imprescindível que as pessoas jurídicas apliquem mecanismos lícitos para tomada de decisão visando à incidência menos onerosa da carga tributária.

Bônus de adimplência fiscal

Um dos instrumentos previstos em legislação (e que é desconhecido por muitos) se refere ao bônus de adimplência fiscal. Esse instrumento foi instituído pelo artigo 38 da Lei n° 10.637/2002 e está disciplinado pelos artigos 271 a 276 da Instrução Normativa RFB n° 1.700/2017.

O bônus de adimplência está previsto para as pessoas jurídicas tributadas pelo Lucro Real ou Lucro Presumido que realizarem, nos últimos cinco anos-calendários:

  • Os pagamentos dos tributos no seu prazo legal; e
  • A entrega correta das obrigações acessórias.

Assim, a empresa obtém o abatimento de 1% sobre a base de cálculo da CSLL devida.

Restrição

Em determinados casos, não será possível se beneficiar com o bônus de adimplência fiscal. Essa restrição é aplicada à pessoa jurídica que, nos últimos cinco anos-calendários, tenha incorrido em qualquer das seguintes hipóteses, em relação aos tributos administrados pela RFB:

  • Lançamento de ofício (auto de infração ou notificação de lançamento);
  • Débitos com exigibilidade suspensa (depósito em montante integral, impugnação do débito, liminar em ação judicial, recurso);
  • Inscrição em dívida ativa;
  • Recolhimentos ou pagamentos em atraso; ou
  • Falta ou atraso no cumprimento de obrigação acessória (DCTF, DIRF, EFD-Contribuições, EFD-Reinf, DMED, ECD, ECF, entre outras).

Período

O período de cinco anos-calendários será computado por ano completo. Isso significa que, para aplicação no ano calendário 2023, é necessário verificar os fatos ocorridos nos últimos cinco anos-calendários, incluindo o período em curso (2023, 2022, 2021, 2020 e 2019).

Quando será utilizado o bônus? Para as pessoas jurídicas que apuram o imposto de renda com base no:

  1. Lucro real ou presumido por períodos de apuração trimestrais: utilizado no último trimestre do ano-calendário;
  2. Lucro real anual: utilizado no ajuste anual.

Exemplo

Tomemos como exemplo uma pessoa jurídica optante pelo lucro presumido que teve os seguintes valores de base de cálculo das CSLL:

Apuração do bônus (Lucro Presumido)
Período Base de cálculo da CSLL Valor do bônus de 1%
1º trimestre R$ 150.000,00 R$ 1.500,00
2º trimestre R$ 100.000,00 R$ 1.000,00
3º trimestre R$ 30.000,00 R$ 300,00
4º trimestre R$ 120.000,00 R$ 1.200,00
Total R$ 400.000,00 R$ 4.000,00
Apuração da CSLL
4º trimestre R$ 120.000,00
Alíquota da CSLL 9%
Valor da CSLL devida R$ 10.800,00
Valor do bônus de adimplência R$ 4.000,00
Valor da CSLL a recolher R$ 6.800,00

Observe que o bônus de adimplência garantiu uma redução de aproximadamente 37% do montante da CSLL devida no último trimestre do ano-calendário.

Penalidades

É importante que o contribuinte fique atento para o uso indevido desse incentivo. A legislação prevê as seguintes multas sobre a totalidade ou a diferença do valor da CSLL não recolhida:

Percentual Penalidades
75% Multa de ofício nos casos de falta de pagamento ou recolhimento, de falta de declaração e nos de declaração inexata.
112,5% Multa de ofício aumentada em 50%: caso a pessoa jurídica não atenda no prazo estipulado a intimação para prestar esclarecimento.
150% Multa de ofício duplicada: caso constate-se sonegação, fraude ou conluio.
225% Multa de ofício duplicada aumentada em 50%: caso a pessoa jurídica não atenda no prazo estipulado a intimação para prestar esclarecimento, na hipótese de ter-se constatado sonegação, fraude ou conluio.

Dicas

Veja duas dicas que podem ser importantes na redução de carga tributária usando o bônus:

  1. Pessoas jurídicas constituídas recentemente podem fazer uso do bônus desde que respeitem as regras elencadas. Por exemplo, tem direito ao bônus uma pessoa jurídica constituída há 2 anos sem nenhuma infração nos últimos dois anos.
  2. Pessoas jurídicas com alto volume de aplicações financeiras podem se beneficiar. Como a venda do ativo não circulante aumenta a base de cálculo do bônus, consequentemente reduz a CSLL a recolher.

Enfim, o bônus de adimplência pode ser utilizado pelas “boas pagadoras” e representar uma economia para o caixa da pessoa jurídica.

Saiba mais

A Econet disponibiliza aos assinantes boletins informativos sobre este e outros temas da área Federal, bem como uma ampla equipe de consultores prontos para sanar suas dúvidas.

Ainda não é cliente Econet? Então, solicite já um teste grátis para conhecer nossas ferramentas e ter acesso a conteúdos indispensáveis de forma clara e objetiva. Assim, um de nossos representantes comerciais entrará em contato com você para lhe dar todo o suporte necessário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *