ICMS

Operador logístico – Minas Gerais

Segunda-feira, 18 de janeiro de 2021 | Curitiba

Operador logístico. Minas Gerais

Com um cenário cada vez mais competitivo, o mundo corporativo busca aperfeiçoar os seus processos para a diminuição de custo em sua atividade mercantil, produtiva, gerencial e organizacional, visando a satisfação dos seus clientes e o aumento das receitas, com qualidade nos serviços prestados e no produto entregue, no menor tempo possível.

Para tanto, destacam-se os estabelecimentos que possuem a finalidade de auxiliar tais empresas comerciais, e de outras atividades, sem a efetiva aquisição da mercadoria em circulação. Em regra, estes serão os chamados operadores logísticos.

Quem é Operador Logístico?

Operador logístico é o estabelecimento que presta serviços a terceiros, visando a eficiência no transporte, armazenamento e controle das mercadorias do tomador deste serviço, além de capacitar transportadores, acompanhar o pagamento dos fretes e gerar relatórios de suporte aos seus clientes.

O Capítulo LXXXV do Anexo IX do RICMS/MG permite que o operador logístico obtenha tratamento tributário diferenciado quanto ao ICMS, hipótese em que o operador logístico e o depositante vinculado formalizam requerimento por meio do Sistema Integrado de Administração da Receita Estadual (SIARE), onde a Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais (SEF-MG) oferece diversos serviços na internet.

Mas fique esperto! As empresas varejistas não podem se vincular a operadores logísticos, com exceção daqueles que realizam suas vendas através de e-commerce ou telemarketing.

Ao aderir ao regime especial, o operador logístico será responsável solidário, em relação ao ICMS, assim como nos casos de acréscimos legais, inclusive multas, devidos e não pagos pelo depositante vinculado.

O Estado define, através de consulta de contribuinte, que depositante vinculado é o estabelecimento de contribuinte do imposto instalado no espaço físico pertencente ao operador logístico, com o qual mantenha vínculo formal, mediante contrato de prestação de serviços logísticos, relativamente às operações com mercadorias por ele depositadas no referido espaço físico.

Ainda, através da mesma consulta, o Estado conceitua o operador logístico como aquele que “detenha estabelecimento com espaço físico destinado à instalação de estabelecimentos de contribuintes do imposto para a realização de operações com mercadorias, e que seja a responsável pela prestação de serviços de gerenciamento e execução das atividades logísticas nas diversas fases da cadeia de distribuição desses contribuintes”.

E como fica a nota fiscal?

As notas fiscais que acompanham a mercadoria, tanto na remessa quanto no retorno, devem ser emitidas pelo contratante do serviço, que é o contribuinte responsável pela operação.

Portanto, de acordo com sua função, o operador logístico ficará apenas responsável pela movimentação logística, armazenamento, gerenciamento de estoque e transporte das mercadorias, hipóteses das quais não é cabível emissão de nota fiscal.

Tags

<br>Equipe ECONET


Equipe ECONET

Além da legislação pertinente às áreas supracitadas, atualizada em tempo real, disponibiliza as mais diversas funcionalidades a seus clientes, tais como tabelas práticas, agendas e calendários de obrigações, boletins informativos, cursos on-line, ferramentas de cálculos, sistemas diferenciados de pesquisa e muito mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deseja receber nossas notícias? Gostaríamos de te manter informado :)